Um poema bizarro

Um poema bizarro

É mais fácil achar engraçado Esse poema bizarro A entender por quê ele é bizarro Pois corre-se o risco de estar errado Diante do desconhecido, São limitadas nossas reações: O medo, quando é, de todo, desconhecido E a sátira, quando se sabe que é inofensivo Do que se tem medo, dá-se o nome “monstruoso” Do … Continuar a ler

Sou invencível

Sou invencível

Quando escrevo esse poema, Sinto que tenho potencial Penso que posso ganhar milhões, Na história, me juntar a Camões E enfim alcançar a glória extrema Mas minha ideia é que não gastarei os milhões Doarei de forma integral E só ficarei com o essencial Assim planejo livrar o mundo do mal Será que alcanço esse … Continuar a ler

Imersão

Imersão

Na cidade vejo tanta gente Perco-me na vastidão desse lugar Sinto-me um inútil impotente Ignoro o que diz minha mente, Ela me diz para chorar Mas que importa tão efêmero sentimento, Quando há tanta gente a sangrar? Não quero viver para gozar Nem mesmo um milhão gastar Quero ser influente Com as palavras, mexer com … Continuar a ler

O poder nas mãos de poucos

O poder nas mãos de poucos

No dia 22 de junho, foi destituído, em processo que durou menos de 24 horas, o presidente do Paraguai Fernando Lugo, um dos grandes populistas da América Latina. Em seu lugar, entra o vice Frederico Franco, que cria um governo claramente oligárquico. Em uma atitude completamente antidemocrática, o governo paraguaio demonstra sua submissão às oligarquias. … Continuar a ler